Mão de uma mulher desenhando conceitos de identidade visual

Manual de identidade visual: saiba tudo!

O manual de identidade visual é um livro que contém dados sobre a personalidade gráfica da empresa. Desse modo, ele traz informações técnicas sobre cores, logotipos, tipologia das fontes e algumas outras regrinhas sobre a comunicação por imagens e letras.

Além disso, o manual de identidade visual reúne indicações sobre o modo de uso de cada um dos componentes. Dessa forma, desde o uniforme das pessoas até as fachadas, banners, e-mails e postagem nas redes sociais seguirão os padrões estabelecidos.

Na prática, esse catálogo é como se fosse um mapa para orientar o trabalho de outros profissionais. Além disso, a empresa aproveita o documento para produzir sua comunicação visual interna: sacolas, embalagens, panfletos, newsletters etc.

Se você ainda está na dúvida se o manual de identidade visual é mesmo importante, saiba que gigantes como a Coca-Cola e o Banco Itaú contam com seus respectivos guias. Mais do que isso: até mesmo as instituições de respeito produzem esse material, como é o caso da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e do Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial).

Ficou com curiosidade? Então confira nosso post!

Qual é a importância do Manual de Identidade Visual?

Depois do processo de criação de uma nova proposta de comunicação para a marca, os ícones que a representarão já estarão definidos. Dessa forma, a empresa já terá em mãos as letras que serão aplicadas, os tamanhos das fontes e figuras, as cores, entre outros elementos.

Porém, o trabalho não acaba aí. Afinal, além de conceber a identidade visual, é preciso estabelecer algumas regras para a utilização dos símbolos da empresa nas mais variadas superfícies e mídias.

Com esse regulamento, é possível garantir que todas as produções — impressas e digitais — sigam o modelo estrategicamente pensado. Assim, a “cara da companhia” será a mesma em toda a cadeia comunicativa, de ponta a ponta, padronizando assim a sua comunicação.

Como resultado, uma organização consegue ser mais lembrada pelo público. Não adianta apenas oferecer atendimento de qualidade. É necessário enfatizar seus atributos para o público e marcar território no mercado. Desse modo, a identidade é aplicada sem distorções, algo que ajuda a consolidar sua estratégia competitiva. Confira dois exemplos:

Imagens

O manual de identidade visual inclui as características do logotipo, mas também suas variações de uso conforme ele migrar para um tipo diferente de canal informativo.

Dessa forma, seu logo pode ser azul sobre um fundo laranja. No entanto, quando for aplicado sobre o branco, você terá descrito em orientações de uso uma variação de aplicação em outras cores de fundo. Assim, você não perde o efeito do contraste entre as cores. É importante saber também que a cor escolhida para o logo depende do seu segmento e do que a cor representa e significa para sua empresa. Tudo isso será pensado pelo profissional de design. Assim, você não perde o efeito do contraste entre as cores.

Família Tipográfica

Esse documento também contém dados sobre as famílias de letras que serão empregadas em comunicados, slogans e redes sociais.

Geralmente, define-se uma espécie para impressos, outra para meios digitais e mais outra para fachadas e assim por diante.

Dentro do manual podemos encontrar também a tipografia principal e de apoio da marca que também serão definidas e pensadas exclusivamente de acordo com conceito da sua empresa.
A tipografia principal da marca pode ser utilizada para o logotipo assim como para títulos de maior importância. Já a tipografia de apoio pode ser utilizada em toda a sua variação e pode ser aplicada em títulos, textos corridos ou textos menores.

Por que elaborar um manual de identidade visual?

Todo negócio que se preze hoje em dia precisa ser marcante nas redes sociais. Além disso, é sempre necessário produzir material promocional: adesivos, panfletos, cartões etc. Quando você tem um manual de identidade visual, todas as suas campanhas e iniciativas fluem mais organizadas.

O guia ajuda no reconhecimento da marca a partir da criação de um padrão em todas as suas manifestações.

Porém, é importante que o documento passe por atualizações de forma constante. Outra recomendação é que ele fique sempre à disposição para consultas. Afinal, esquecido na gaveta, esse livro não tem o menor valor. Também é imprescindível que ele apresente qualidade. Por esse motivo, o melhor é contar com profissionais de design gráfico experientes. Se essas condições forem cumpridas, é possível colher uma série de recompensas. Confira algumas delas:

  • Aplicação padronizada: quanto mais vezes um mesmo símbolo é exposto ao público, mais ele vai se fixando na memória. Por que será que ninguém esquece o “M” do McDonald’s?;
  • Melhora na comunicação: a marca passa para o público a imagem com a qual ela deseja ser vista, alinhando a representação visual às estratégias de negócio;
  • Fim dos desperdícios: com as regras do manual de identidade visual, praticamente não acontecem erros em impressões ou mesmo em artes digitais. Desse modo, você terá menos gastos com retrabalhos nessas tarefas.

Quais as informações disponíveis nesse guia?

Bom, como já dissemos, o manual de identidade visual armazena todos os dados sobre os elementos gráficos. Contudo, ele também traz as peculiaridades de uso de cada um desses símbolos, ícones e letras. Por exemplo: uma foto no Instagram não será a mesma quando for impressa. Sem o guia, pode haver deformidades nas cores, no tamanho das figuras, entre outras inconsistências. Confira a seguir uma listinha com os principais componentes que costumam aparecer:

  • Elementos gráficos e suas diferentes versões: paleta de cores, logotipos, família tipográficas etc.;
  • Malha construtiva;
  • Paletas Cromática;
  • Precauções;
  • Restrições;
  • Orientações de uso;
  • Aplicações;

Portanto, o manual de identidade visual é uma ferramenta de marketing importante. Afinal, ele vai contribuir para a comunicação nas redes sociais e no mundo físico de uma forma mais coesa e eficaz. Assim, é possível alcançar resultados mais satisfatórios. Gostou do artigo? Que tal dividir com sua equipe e amigos? Compartilhe!

Gardênia Nunes

Analista de Marketing da dBriefing Resultados criativos. Formada em Design Gráfico, especializada em Marketing digital com foco em estratégia e resultados. Amante da cultura pop, filmes e chocolate. - “Resultado de verdade é aquele que funciona”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *